A escada está pronta

A escada está pronta
junho 22 14:00 2011 Imprimir este Artigo
Publicidade

Por Ricardo Semler

Não se pode deixar o erudito morrer, pois morre junto a magia do conhecimento que a humanidade nos logrou

Por debaixo das cinzas fomos, aqui em Buenos Aires, ao belo Teatro Colón. O “Tríptico”, de Puccini. Na saída, uma sensação de nostalgia e pena de que a ópera esteja agonizando, como gênero.
Lamentam-se clássicos que estão se extinguindo e a falta que faz aos jovens uma educação erudita.
Depois de alguns minutos, a pergunta melhor: pena por quê? Será simples arrogância ouvir Wagner, ter lido Kant ou poder discorrer sobre Goya? Ou a modernidade deve ignorar tanta filigrana para viver, na rua e de fato, a vida?
Nesses dias comemorou-se os 25 anos da morte do Jorge Luis Borges, o único escritor sul-americano de envergadura universal.
Um dia, enquanto esperava um elevador que nunca chegava, disse ao amigo: não prefere que subamos a escada, que já está completamente inventada?
Assim é com o conhecimento. Não é verossímil que a cada século a humanidade perca parte de sua sabedoria acumulada para reescrevê-la do zero.
Para isso serve Shakespeare, que reúne todas as características do ser humano em suas obras -não há ódio tão potente, ciúme tão violento ou tristeza tão profunda quanto os que ele retratou. No entanto, nenhuma das suas histórias é própria. Como no “Tríptico”, do Puccini.
Resume-se o roteiro assim: mulher jovem de barqueiro é infiel, amante é morto, fim. Solteira grávida é internada contra a vontade em convento, filho que não conheceu morre, ela se mata, fim.
O valor, inestimável, desses autores é o uso da linguagem (escrita, musical, visual). Como disse Borges, traduzir James Joyce resulta em absolutamente nada -e não em uma tradução ruim.
Que utilidade haveria em alunos receberem uma longa lista de autores clássicos, de músicas do Bach, de quadros do Rembrandt? E, sem isso, com a queda brutal de gravações clássicas (17 novas ao ano atualmente contra 400 anuais há 30 anos) e o fim das bibliotecas clà ¡ssicas, estaria o jovem adstrito à cultura popular?
Não há por que deixar o erudito morrer, pois morre junto a magia do conhecimento que a humanidade logrou, com interminável sofrimento. Mas de nada serve entregar Sófocles em grego. Terá que se redirecionar parte da verba da educação para fazer um compacto da sabedoria universal.
Falta um resumo escolar inteligente, que sirva para destilar os momentos magníficos dos gênios, que escolha passagens de Beethoven, Cícero e Velásquez e, mais importante, que os coloque em contexto e, acima de tudo, que os una.
Disse Borges: “A imaginação é feita de convenções da memória -se eu não tivesse memória seria incapaz de imaginar”.
É burro torturar alunos com decoreba de clássicos, mas é tarefa urgente dos adultos transmitir de forma viva o que aprendemos como “raça humana” -quiçá, sem mulheres obesas gritando no palco.

RICARDO SEMLER, 52, é empresário. Foi scholar da Harvard Law School e professor de MBA no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Foi escolhido pelo Fórum Econômico de Davos como um dos Líderes Globais do Amanhã. Escreveu dois livros (“Virando a Própria Mesa” e “Você Está Louco’) que venderam juntos 2 milhões de cópias em 34 línguas. Escreve a cada 14 dias neste espaço.

  Article "tagged" as:
  Categories:
ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.