Como você pretende viver depois do fim do mundo?

Como você pretende viver depois do fim do mundo?
dezembro 17 12:52 2012 Imprimir este Artigo
Publicidade

Pelo life coaching do Núcleo Pluri, Paulo Maurício Mello- Cari.

A partir de especulações sobre as profecias Maias, algumas pessoas precipitaram suas conclusões sobre as previsões do fim do mundo, em 21 de dezembro de 2012 e, com isso, de uma forma geral se apavoram ou ridicularizam estas especulações. Não precisamos acreditar, nem desacreditar destas profecias ou informações, mas sim, observar tudo que nos rodeia, de maneira profunda reflexiva.

Sem dúvidas, este momento é considerado ímpar nas mudanças da história humana. E, esta percepção, vem ganhando adeptos em um crescente exponencial, permitindo uma transformação ainda silenciosa, porém, intensa em todo mundo.

Por meio de pesquisas e análises, na realidade pude perceber que os Maias marcam está data como o fim de um ciclo da consciência humana, que estaria baseado no materialismo, e na falta de entendimento de que seres humanos, natureza, e inclusive, o Universo, fazem parte de um grande sistema integrado, onde cada ação promove uma reação. Para mim, as profecias foram um aviso, de que precisamos ver as coisas de forma mais integrada e responsável. Os textos bíblicos e outras fontes religiosas também deixaram um aviso, apontando que por volta do ano 2000 viveríamos o apocalipse. Portanto, como esclarecimento, esta palavra não quer dizer fim ou destruição, mas sim, um recomeço, que dependendo da tradução, também pode significar revelação. Essas fontes religiosas dizem que neste período seríamos julgados por nossas ações egoístas, e punidos com o rigor da natureza “divina”.

O momento é realmente de observar e analisar, uma vez que, nunca vimos tantos sinais de que algo não está bem, e que estão ocorrendo transformações no mundo, ou seja, nunca vimos tantas revelações JUNTAS:

·         De corrupção;

·         Da fragilidade do sistema financeiro;

·         Da irresponsabilidade na política;

·         Do uso indiscriminado de tecnologias nocivas;

·         Da violência gerada pelos abismos sociais;

·         Da desagregação familiar;

·         Da intolerância racial, religiosa, social e de opções sexuais;

·         Do consumismo tentando curar crises existenciais;

·         Das drogas e vícios tentando, ou achando lugar na legalidade;

·         Do conforto insustentável gerador de lixos em quantidades irrecicláveis, se existe esta palavra;

·         Além do inicio de um colapso completo do fornecimento de água, comida e eletricidade.

A natureza também está nos mostrando algo, como:

·         Terremotos e tornados fora do padrão;

·         A mudança no clima levando de um verão a um inverno em questão de dias, ou até horas;

·         Animais morrendo em massa sem explicações aceitáveis;

·         Degelo dos polos, sem mais a possibilidade de dizerem que nada esta acontecendo;

·         As explosões solares a cada dia mais intensas, influenciando todo o planeta.

Se o encerramento deste ciclo da consciência previsto pelos Maias for considerado um FIM, então o apocalipse ou RECOMEÇO faz sentido, pois para algo recomeçar, algo precisa terminar, e se observarmos os sinais, REVELANDO que algo está acontecendo e precisa mudar, então teremos um entendimento melhor sobre este momento.

Como pesquiso e analiso este tema há mais de uma década, quem me conhece sabe sobre a minha visão. O mundo está se transformando, e não acabando, e por este motivo me perguntam: E depois do fim do mundo, o que vai acontecer?  O fim do mundo, como disse, não é uma data, e sim, uma fase que vai durar alguns anos, e vai transformar cada ser humano neste planeta, cada um em seu tempo, e de acordo com sua resistência, com mais ou menos dor. Então, o fim deste ano, é só o início do fim de um ciclo antigo, e o começo deste novo ciclo, que conforme havia dito antes, vai durar, até que o apocalipse ofereça para todos a oportunidade de mudar. Percebam que já vivemos esta transição de um modelo que se exauri, e um que gradativamente vai tomando o seu lugar, mas como toda mudança, gera reações e muito calor, o que vemos são apenas as situações desagradáveis, porém, muita coisa já esta sendo construída e transformada. Pesquise e se surpreenda!

Mas o que esperar de 2013? Um aumento dos conflitos, a natureza ainda mais arisca, e os colapsos ainda mais profundos, e também, um aumento significativo de movimentos de transformação, solidariedade, mobilizações e inconformismo, sem precedentes na história humana. Veremos com mais nitidez um mundo antigo que desaba, e o surgimento gradativo de um novo modo de ser, viver e conviver, e assim, será a cada ano, até que cada ser humano que permaneça na face da terra perceba que o seu modelo de viver não funciona mais. Esta percepção leva a uma revolta inicial, mas na sequência, as coisas se encaixam, e tudo fica melhor.

Vivo este novo modelo e, por isso, oriento as pessoas a viverem essas mudanças, sem medo, apenas assumindo a responsabilidade por seus atos, e buscando através de uma reforma íntima, valores mais solidários e integrados. Não é tão simples, mas acessível a todos. Apesar das iniciativas evolutivas serem pouco divulgas, elas estão acontecendo cada vez mais, e em maior número e, com isso, um novo mundo nasce e, em contrapartida, o velho se desmorona. Vivo e trabalho para que cada vez mais as pessoas adquiram esta maneira de viver, e não precisem de um apocalipse muito doloroso para despertar e optar pelo recomeço numa vida plena e integrada.

Acreditar ou não no “Fim do Mundo”, não é importante, o essencial é construirmos uma humanidade mais justa, responsável e feliz. As reações mundiais aos nossos atos do passado estão nos permitindo revisar como a humanidade vai caminhar daqui pra frente. Portanto, pense e reflita, e se fizer algum sentido, dê uma chance a você e às pessoas para viver de maneira diferente. Qualquer mudança é difícil, mas desta vez, não temos muita alternativa, pois passamos dos limites.  Um bom apocalipse para todos nós!

:: Sobre  Paulo Mello  – Cari

O life coaching do Núcleo Pluri tem 55 anos e busca poder ajudar a transformar a sociedade. Trabalhou por 28 anos no mundo corporativo, sendo 11 anos como executivo e 17 anos como empreendedor. Após superar um colapso físico emocional percebeu que deveria abrir uma local que pudesse auxiliar pessoas a compreender a vida de forma mais ampla, e assim, nasceu o Núcleo Pluri, com a missão de transformar a consciência humana, atuando na área de saúde, através de terapias convencionais e complementares para pessoas e empresas.

Sobre o Núcleo Pluri

Idealizado para cuidar do ser humano como um todo (no âmbito físico, energético, mental, psíquico, emocional e espiritual), complementando assim, os tratamentos convencionais de saúde, o Núcleo Pluri promove aos seus clientes, por meio da ampliação da consciência, e práticas integradas de saúde, uma visão mais ampla de como superar as dificuldades para obter bem-estar e equilíbrio. Um grupo de terapeutas especializados trabalha de forma integrada, baseados numa metodologia própria e diferenciada, proporcionando ao cliente uma nova percepção de si mesmo e do mundo, o que o permite corrigir, e até prevenir desequilíbrios, para assim, alcançar uma forma mais saudável e feliz de ser e viver.

  Article "tagged" as:
  Categories:
ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.