Togas manchadas

Togas manchadas
janeiro 24 21:21 2012 Imprimir este Artigo
Publicidade

Luiz Holanda
Com a instauração do Brasil República pelo golpe militar chefiado pelo marechal Deodoro da Fonseca, a corrupção entre nós se institucionalizou de tal maneira que se tornou uma forma normal de governar.  Existente desde o periodo da colonização portuguesa, agravou-se com as concessões de obras públicas e com a arrecadação de dinheiro para financiamento das campanhas eleitorais. A “caixinha do Adhemar”, político paulista, tinha origem nas comissões cobradas pelas obras concedidas pelo governo na base do “Rouba, mas faz”. O golpe militar de 1964 também a utilizou, entre outros,  nos casos Capemi e Coroa-Brastel, uma amostra do que ocorria nas empresas estatais.
A redemocratização exarcebou o processo com a eleição de Collor. Foi nessa época que o esquema de arrecadação de recursos ficou conhecido como o “Esquema PC”, sigla baseada no nome do tesoureiro da campanha colorida, Paulo Cesar Farias, posteriormente assassinado e acusado de ter se apropriado das sobras. Na época de Fernando Henrique era constante, tendo aumentado por ocasião da aprovação da emenda constitucional da reeleição. Com a chegada do PT ao poder, o Judiciário –antes o mais respeitado do país-, passou a integrar o trio. Desde então, a imprensa vem denunciando, quase que diariamente, as mazelas de alguns dos seus integrantes. No Executivo, o mensalão e outros casos vieram à tona. Os próprios filhos do presidente foram acusados de enriquecimento rápido e ilícito. O esquema continuou no governo da presidente Dilma, que, em apenas um ano, teve que aceitar a demissão de vários ministros, acusados por corrupção em suas pastas; só que, agora, atingindo o Judiciário.
O relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), enviado à Corregedoria Geral do Conselho Nacional de Justiça-CNj, confirma as movimentações financeiras “atípicas” em alguns tribunais.  Nessa luta perdida contra as togas manchadas, nosso consolo é o  reconhecimento dos leitores quanto ao nosso trabalho de divulgação das denúncias publicadas pela imprensa (mesmo exacerbado pelas gentilezas) como o do político e escritor Carlos Sodré, que, em comentário ao nosso artigo “A caixa-preta do Judiciário”, escreveu: “A sua inteligência –no que v. por vezes é um perdulário- transcendeu na abordagem oportuna e contundente que este texto encerra. O seu artigo converte-se, vocalizando o sentimento de todos nós, num látego com que vergasta a imoralidade insuportável ao peso da qual a Nação vai afundando na movediça descida para a pantanosa e degradada superfície fétida em que chafurda, tornando inócuo o cultivo da esperança de que os valores morais mais elementares ainda possam ser ressuscitados, e o obséquio do dever de legarmos senão aos nossos filhos, ao menos aos nossos netos, uma pátria moralmente respirável”.

  Article "tagged" as:
  Categories:
ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.