Estudo divulgado pelo CISA revela diferentes padrões de consumo de álcool entre usuários de cocaína em pó e usuários de crack

by Editor | 26 de abril de 2012 8:38

Um estudo britânico publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences e divulgado pelo CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool[1], investigou as diferenças nos padrões de uso e problemas relacionados entre indivíduos que consomem álcool juntamente com cocaína em pó versus os que fazem essa combinação com o crack.

Para isto, foram recrutados usuários que relataram uso simultâneo de álcool e cocaína em clínicas e comunidades de Londres, na Inglaterra, para participar de entrevistas estruturadas. No total, 102 indivíduos de ambos os sexos e com média de idade de 30 anos foram selecionados, sendo que 69 eram usuários de cocaína e 33 de crack.

Os resultados apontam que tanto a frequência como a quantidade máxima de álcool ingerida por ocasião de beber pesado*, no mês anterior à pesquisa, foram significativamente maiores entre usuários de cocaína em pó em comparação aos de crack: 20 dias de uso e 23 doses de bebida alcoólica ; 15 dias de uso e 15 doses, respectivamente.

Entre os usuários de cocaína em pó, 99% relataram ao menos um episódio de beber pesado, enquanto a proporção entre os usuários de crack foi de 48%. Além disso, 46% dos usuários de cocaína em pó afirmaram ter bebido pesado pelo menos uma vez por semana, durante o mês anterior à pesquisa, em comparação com 13% dos usuários de crack. Em contrapartida, os usuários de crack relataram problemas mais sérios associados ao uso dessa substância e outras drogas ilícitas, problemas de saúde física e psicológica e criminalidade, além de uso mais frequente de cocaína e maiores níveis de dependência dessa substância.

Nota-se, portanto, que o beber pesado frequente representa um risco grave para a saúde de muitos usuários de cocaína. As diferenças nos padrões de consumo de álcool confirmam a importância de distinguir os usuários de cocaína em pó dos usuários de crack.

Os autores do estudo ainda alertam que, como é frequente a direção de automóveis sob a influência de álcool ou drogas e os riscos de acidentes de tráfego aumentam bastante, os profissionais de saúde que trabalham no atendimento primário ou na emergência precisam de treinamento para detectar, avaliar e tratar adequadamente pacientes que fazem consumo simultâneo de álcool e cocaína.

* Beber pesado geralmente é definido em termos do consumo excessivo de álcool em um curto período de tempo. O National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism define beber pesado episódico como o consumo de 5 ou mais doses alcoólicas por homens ou de 4 ou mais doses por mulheres, dentro de um período de 2 horas, sendo que uma dose-padrão de bebida alcoólica (285 ml de cerveja, 120 ml de vinho ou 30 ml de destilado) contém, aproximadamente, 8 a 13 g de álcool puro.

Título da pesquisa: Concurrent use of alcohol and cocaine: differences in patterns of use and problems among users of crack cocaine and cocaine powder.

Autores: Gossop M, Manning V, Ridge G.

Fonte: Alcohol & Alcoholism Vol. 41, No. 2, pp. 121–125, 2006.

Sobre o CISA

O Centro de Informações sobre Saúde e Álcool – CISA, organização não governamental criada em 2004 pelo psiquiatra e especialista em dependência química Dr. Arthur Guerra de Andrade, é, hoje, a maior fonte de informações no país sobre o binômio saúde e álcool. Por meio de seu website (www.cisa.org.br[2]), a ONG disponibiliza um banco de dados baseado em publicações científicas reconhecidas nacional e internacionalmente, em dados oficiais (governamentais) e na informação de qualidade publicada em jornais e revistas destinados ao público geral, estudantes, profissionais de saúde, pesquisadores e empresas sobre o álcool e suas relações com o corpo, a mente e a sociedade.

O CISA acredita na importância do rigor ético e na transparência de suas ações no que diz respeito à obtenção e divulgação de conhecimento atualizado e imparcial na área de saúde e álcool e prontifica-se a colaborar com políticas públicas que abordem o tema de forma eficaz. Também está comprometido com o avanço do conhecimento nessa área e encoraja a adoção de medidas para prevenir o uso nocivo de álcool e suas consequências, por meio de parcerias e elaboração de materiais educativos e de prevenção.

Para mais informações sobre o centro, visite o site www.cisa.org.br[3].

Endnotes:
  1. CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool: http://www.cisa.org.br/
  2. www.cisa.org.br: http://www.cisa.org.br/
  3. www.cisa.org.br: http://www.cisa.org.br

Source URL: http://www.direitolegal.org/diario-forense/estudo-divulgado-pelo-cisa-revela-diferentes-padroes-de-consumo-de-alcool-entre-usuarios-de-cocaina-em-po-e-usuarios-de-crack/