Nota da Federação Nacional dos Policiais Federais

Nota da Federação Nacional dos Policiais Federais
novembro 26 12:53 2013 Imprimir este Artigo
Publicidade

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Caso Pizzolatto: Federação afirma que podem ocorrer fraudes no embarque em Guarulhos
devido às falhas da administração da PF em São Paulo.

A Federação Nacional dos Policiais Federais – Fenapef – vem publicamente esclarecer os fatos noticiados sobre a possibilidade de embarque do foragido e condenado do mensalão Henrique Pizzolatto. Para a Fenapef, podem ocorrer fraudes no embarque e desembarque do aeroporto internacional de Guarulhos, devido às vulnerabilidades causadas pela má gestão da Polícia Federal em São Paulo.

Apesar das recorrentes reclamações do Tribunal de Contas da União, há anos a fiscalização do tráfego internacional em São Paulo não é realizada somente por policiais federais (clique aqui para ler). Segundo a Fenapef, diante das irregularidades existentes, Pizzolatto poderia ter embarcado no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Em relação ao documento divulgado pela imprensa, com suposto registro de saída de Pizzolatto pela PF no aeroporto de Guarulhos, a funcionária citada no documento realmente possui uma senha de acesso ao sistema, mas não é servidora da Polícia Federal. Ela é funcionária de uma empresa particular contratada pela Administração da PF em São Paulo, que subcontrata dezenas de funcionários terceirizados que exercem irregularmente atividades de natureza policial.

E mais, no Aeroporto de Guarulhos, a senha de acesso em nome da funcionária terceirizada, citada no documento, é compartilhada por dezenas de outros funcionários também terceirizados, com formação ignorada, substituídos em períodos de 2 a 3 meses, devido às péssimas condições de trabalho e baixos salários. A Fenapef afirma que os riscos de fraudes no embarque e desembarque são enormes, pois as vulnerabilidades existem há anos e parecem ser ignoradas pela gestão da PF em São Paulo.

A Fenapef denuncia que durante os procedimentos de embarque, falhas de conexão ou de acesso aos sistemas da PF não impedem as viagens dos passageiros, pois os funcionários terceirizados são orientados a evitarem filas. Atualmente, se os cabos de conexão de dados forem desconectados, o controle de tráfego pode ser burlado e possibilitar o embarque de pessoas foragidas ou impedidas de deixar o país.

A primeira medida emergencial para corrigir essa situação alarmante diante dos grandes eventos é aumentar o efetivo de policiais federais treinados nos aeroportos internacionais. Porém, a carência de policiais é um problema, pois, segundo dados oficiais do Ministério do Planejamento, a cada ano 100 agentes federais deixam a PF em busca de carreiras mais valorizadas pelo Governo Federal.

 

Federação Nacional dos Policiais Federais

  Categories:
ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.