Policial que matou a própria esposa é condenado a 20 anos e seis meses de prisão

Policial que matou a própria esposa é condenado a 20 anos e seis meses de prisão
maio 02 14:00 2011 Imprimir este Artigo
Publicidade

Policial que matou a própria esposa é condenado a 20 anos e seis meses de prisão

O Tribunal do Júri do Paranoá condenou o policial militar Marivaldo Amaldo da Silva (31 anos de idade) a 20 anos e seis meses de prisão por homicídio qualificado e crime de ocultação de cadáver praticados contra sua esposa Mariana Correa Silva Alves Bragança.

Na condenação, o Conselho de Sentença acatou o argumento da acusação de que o crime foi cometido por motivo fútil, porque o réu não se conformava com o fim do relacionamento do casal.

Segundo citação do processo, “Marivaldo, ciente de que era traído por Mariana há aproximadamente seis meses e percebendo a iminência da separação conjugal, que não desejava, valeu-se da situação de convivência doméstica que mantinha com Mariana e aproveitou a oportunidade em que ficou a sós com ela para cumprir a promessa que há tempos fazia de que mataria a vítima e a queimaria em meio a pneus, caso ela o traísse”.

Ao fixar a pena, a juíza considerou que o policial não tinha antecedentes criminais e era

primário. “Não há elementos que desabonem a conduta social do acusado, bem como, sua personalidade”, afirmou a magistrada.

A juíza também analisou as circunstâncias desfavoráveis ao réu. Entre elas, o fato de que o crime deixou órfã uma criança menor, que durante três anos foi iludida de que sua mãe o teria abandonado.

O condenado nega a autoria do crime. Ele poderá recorrer em liberdade, porque possui residência fixa e participou de todas as fases do processo.

Nº do processo: 2005.08.1.005307-2

Fonte: TJDFT

ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.