Prefeitura foi condenada a indenizar mãe que perdeu filha em área com esgoto a céu aberto

Prefeitura foi condenada a indenizar mãe que perdeu filha em área com esgoto a céu aberto
setembro 08 18:00 2011 Imprimir este Artigo
Publicidade

O juiz Eurípedes Gomes Faim Filho, da Vara da Fazenda Pública de São Vicente, condenou no último dia (24) a Prefeitura de São Vicente a indenizar uma mãe que perdeu sua filha em virtude de uma queda em uma área com esgoto a céu aberto.
A prefeitura alega que ficou caracterizada a culpa exclusiva da autora, pois não atuou com seu dever de guarda e cuidado de menor. Além disso, o local do acidente é uma área de invasão pertencente à União, não havendo que se falar em omissão do Poder Público, visto que a municipalidade carece de verbas e condições para conter o crescimento de moradias irregulares. Também justificou que a responsabilidade configurada no caso é subjetiva, reputando incabíveis as indenizações pleiteadas, posto que não pode ser responsabilizada pelo ocorrido.
Em sua decisão, o magistrado assegura que ”a responsabilidade extracontratual estatal por danos causados é objetiva conforme prevê a Constituição da República no Art. 37 § 6º – As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. Observe-se que a Constituição não menciona dolo ou culpa, razão pela qual essa responsabilidade não é subjetiva”.
Segundo o magistrado, dizer que há culpa de terceiro na absurda situação que se vê nas fotos e que o município não tem nada com isso não tem o menor cabimento. Ele determinou que a prefeitura pague à mãe da menor meio salário mínimo por mês a título de pensão alimentícia, quantia que deverá ser depositada até o dia dez de cada mês. A pensão é devida desde a data da morte da menor até quando completaria dezoito anos.
A prefeitura ainda foi condenada a indenizar a autora no valor de 2/3 do salário mínimo, a serem pagos de uma única vez, computando-se a data do evento até o momento em que a vítima completaria 25 anos de idade. Também  ao pagamento de 50 mil reais a título de danos morais, das  despesas processuais e  honorários advocatícios.
Em sua decisão, o magistrado também determinou que seja encaminhado ofício a Prefeitura Municipal  e ao Ministério Público solicitando providências com relação ao local.

Processo nº. 590.01.2010.003990-0

Fonte:        Comunicação Social TJSP
Mais: www.direitolegal.org

ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.