Seja um autor

Envie seus artigos e divulgue seu trabalho para milhares de Pessoas!

O Direito Legal é uma revista forense eletrônica com diretório de decisões, doutrinas, jurisprudências, monografias e artigos. Possui um completo acervo para pesquisas, leitura e testes a. Permite  publicação de qualquer tipo de conteúdo textual jurídico bem como noticias, eventos, cursos, informativos, monografias, teses, editoriais. Oferece dicas, sugestões, resumos, resenhas, artigos acadêmicos, monografias, TCCs, crônicas, artigos sobre educação, administração, sociedade entre outros temas. Para enviar artigos para publicação, crie seu perfil de escritor. O Direito Legal abre espaço para escritores, estudantes, professores, médicos e outros profissionais que desejam ter seus textos publicados de forma rápida, fácil e gratuita.

» Criar Perfil e Enviar Artigo para Análise!

Com um sistema de publicação de textos fácil de usar, rapidamente é possível anexar seu trabalho ou simplesmente preencher o formulário de envio de artigo. Não custa nada publicar seus artigos e você tem muito a ganhar!

Os benefícios de compartilhar conteúdo em nosso diretório são:

  • Credibilidade e Reconhecimento – Crie um círculo de confiança com os leitores. Receba opiniões e comentários em seus textos. Ganhe respeito e seja reconhecido como um especialista em sua área.
  • Tráfego Para Seu Site / Blog – Todos os artigos que publicar no Direito Legal terão um espaço reservado aos seus dados, seu contato, onde você pode colocar um link para seu site.
  • Marketing de Artigos – Escrever e divulgar textos é uma forma eficiente de vender sua imagem ou serviço. Um artigo bem escrito desperta a atenção dos leitores, muitas vezes clientes em potencial e agrega valor a sua reputação online
  1. Marcelo Nogueira
    agosto 08, 13:44 #1 Marcelo Nogueira

    O afastamento da Min. Carmen Lúcia, do STF, no julgamento do Mensalão

    Ontem, quando se encerrava a primeira parte do julgamento, a Min. Carmen Lúcia, do STF, informou que iria se ausentar do plenário durante as sustentações orais dos advogados de defesa que ocorreriam em seguida, devido a compromissos no TSE, que preside.
    Teve o cuidado de solicitar que as gravações fossem encaminhadas ao seu gabinete para que pudesse ouvi-las antes do julgamento de hoje (08/08/12).
    Quem não gostou foram os advogados. José Carlos Dias, que defende a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello, aquela que nega envolvimento com operações ilícitas e empréstimos fictícios supostamente realizados pelo Banco Rural no esquema do Mensalão, telefonou para Ophir Cavalcante, presidente da OAB, para que o mesmo buscasse com o Min. Carlos Ayres Britto, presidente do STF, apoio para garantir que a ministra permaneça ouvindo as defesas sustentadas pelos advogados.
    O advogado chegou a formular pedido de suspensão da sessão, que foi rejeitado por unanimidade, com fundamento no Regimento Interno do STF que estabelece o quorum mínimo para o julgamento. De fato, segundo o Regimento Interno do STF, estaria respeitado o quorum necessário para o julgamento. Mas, além do desprestígio aos ilustres advogados que enfrentam a dura tarefa de defender os réus do julgamento mais importante das últimas décadas, praticamente condenados em praça pública, há algo bem mais importante: o direito à ampla defesa dos réus.
    A ministra Cármen Lúcia, por sua vez, reagiu e afirmou que está dando o seu máximo e que não pode negligenciar sua responsabilidade pelo processo eleitoral, na qualidade de presidente do TSE.
    De fato, estamos a 2 meses das eleições e não deve ser tarefa nada fácil compatibilizar as funções de Ministra da maior corte do país e ainda presidir a Tribunal Superior Eleitoral. Mas, dentre os sacrifícios necessários, não podem estar garantias constitucionais dos réus.
    Ouvir o que os advogados têm a dizer em defesa de seus assistidos é o mínimo do mínimo. Tratando-se de um processo de cerca de 60 mil páginas, é compreensível que nem todas páginas sejam bem examinadas (reparem, disse compreensível, ou seja, algo que não é o ideal, mas é admissível), mas, não querer ouvir os advogados não é sequer lógico.
    Afinal, naqueles poucos minutos, os advogados terão que se superar na capacidade de síntese e atacar os principais aspectos do processo, para convencer o maior número possível de julgadores, a fim de que tenham sucesso na sua defesa. Ouvindo os advogados, os julgadores têm acesso ao que é mais importante nas teses defensivas.
    É aí que importa a ausência da Ministra. É uma pessoa a menos para analisar as razões expostas pelos advogados e, consequentemente, uma pessoa a menos para contribuir nos debates e, se for caso, até convencer os demais ministros de tais convicções.
    Não fosse o bastante, na medida em que a acusação foi ouvida, a defesa também deveria ser, em respeito à igualdade entre as partes do processo.
    A ausência da Ministra traz, sem dúvida, um prejuízo à defesa e, de maneira geral, ao próprio julgamento do Mensalão. E não se pode admitir que uma norma inferior, regimental, sirva para afastar garantias constitucionais da ampla defesa e da igualdade entre as partes.
    Se não faz diferença um Ministro do STF a menos, façamos a economia. Se faz, como acredito que faça, esperamos que fatos como esse não se repitam, nem no julgamento do Mensalão, nem em julgamento algum.
    Rio, 08/08/2012
    Marcelo Nogueira, advogado no Rio de Janeiro, sócio do escritório Nogueira Empresarial e membro do Instituto Brasileiro de Direito Tributário.

    Reply to this comment

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.