Liminar garante cirurgia em idosa com fratura de braço

maio 07 07:53 2010 Imprimir este Artigo
Publicidade

Liminar garante cirurgia em idosa com fratura de braço

Uma idosa que está internada em uma unidade hospitalar de Natal ganhou uma liminar publicada hoje que determina à Unimed Natal e a Unimed Rio autorizem a realização de uma cirurgia no seu braço direito, no prazo de 24 horas, a contar da intimação da decisão, bem como de todas as demais despesas a ele relacionadas como internação, aquisição dos matérias solicitados (01 haste bloqueada de titânio para úmero e 04 parafuso de titânio para bloqueio) uso de medicamentos/instrumentos e etc, sob pena de multa diária no valor de R$ 1.000,00, até o teto de R$ 20.000,00.

Nos autos, a autora afirmou que filiada a Unimed Rio desde 2001, e sempre cumpriu com suas obrigações contratuais, estando atualmente quite com os pagamentos inerentes ao plano. No entanto, desde o último dia 21 que está internada no Hospital Unimed Natal, apresentando o quadro clínico de fratura Cominuta de ùmero direito.

Devido a sua idade avança – 72 anos -, e em razão da gravidade do seu estado de saúde, a equipe médica do hospital Unimed Natal solicitou a realização de tratamento cirúrgico com a aplicação para implantação de uma haste bloqueada de titânio para úmero e quatro parafusos de titânio para bloqueio.

Entretanto, até o presente momento, a autorização para a realização do procedimento cirúrgico ainda não foi apresentada pela Unimed Rio. Assim, pediu liminarmente que seja determinado a Unimed Natal e a Unimed Rio que autorizem a realização a cirurgia imediatamente, com aplicação de todos os materiais solicitados pela equipe médica, bem como qualquer procedimento necessário para a sua recuperação.

Para o juiz Ricardo Tinoco de Góes, da 6ª Vara Cível de Natal, no caso, a documentação anexada pela autora revela-se hábil a indicar de forma verdadeira não somente a existência de relação contratual entre as partes, como o adimplemento autoral face as obrigações então pactuadas.

O magistrado ressaltou que, de acordo com o laudo médico anexado aos autos, a autora está aguardando a liberação do material para a realização da cirurgia desde 21.04.2010. Diga-se ainda que o procedimento em tela tem natureza emergencial, a configurar hipótese de cobertura especialmente obrigatória, nos termos do art.35 da Lei 9656/98.

Ele frisou que, tratando-se de uma relação de consumo, é dos réus o ônus de provar a existência de alguma exceção à cobertura, enquanto milita em favor do consumidor a presunção da sua boa-fé, objetivamente considerada à luz dos documentos que se encontram nos autos do processo.

Dr. Ricardo Tinoco concedeu a liminar atendendo ao princípio da dignidade da pessoa humana, entendendo que o direito fundamental à vida – saúde – deverá ser oportunizado neste momento para não incorrer no risco da medida revelar total inutilidade posterior. (Processo nº 001.10.012851-4)

Fonte: TJRN

  Article "tagged" as:
  Categories:
ver mais artigos

Sobre o autor

Editoria
Editoria

Ver mais artigos

Nenhum comentário!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.