TJBA Anula decisão do juiz Benicio Mascarenhas Neto, da 26ª Vara Cível de Salvador que negou gratuidade judiciária

TJBA Anula decisão do juiz Benicio Mascarenhas Neto, da 26ª Vara Cível de Salvador que negou gratuidade judiciária
agosto 15 10:00 2011 Imprimir este Artigo
Publicidade

Inteiro teor da decisão “ad quem”:

 

 

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL

AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 0010745-44.2011.805.0000-0, DE SALVADOR

AGRAVANTE: JURANDIR GOMES DE SOUSA

ADVOGADOS: ELMANO BRANCO COELHO E OUTROS

AGRAVADO: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA

RELATOR: DES. CARLOS ALBERTO DULTRA CINTRA

D E C I S Ã O

Jurandir Gomes De Sousa interpôs o presente agravo de instrumento, com pedido de liminar, contra decisão proferida pela Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 26ª Vara dos Feitos de Relação de Consumo Cíveis e Comerciais da Comarca de Salvador que, nos autos do Procedimento Sumário nº 0068028-22.2011.805.0001, indeferiu o pedido de assistência judiciária gratuita.

Aduziu a Agravante que não há na legislação qualquer parâmetro que possa medir o nível de pobreza do cidadão e que determine quem deve receber o benefício e a quem deve ser este negado.

Sinalizou que o Juízo a quo ignorou o fato de que a simples declaração do Agravante, de encontrar-se sem recursos pecuniários suficientes para arcar com as despesas judiciais é suficiente para a concessão do benefício da gratuidade da Justiça.

Para fundamentar seu pleito, acostou aos fólios excertos jurisprudenciais e requereu ao final, o deferimento do benefício da assistência judiciária.

Eis o relato no breve. Decido.

Entendo que deve ser deferido o benefício de assistência judiciária gratuita.

É incontroverso que o princípio geral que rege a questão da isenção de despesas judiciais aos necessitados está previsto nos arts. 2º e 4º da Lei nº 1.060/50, com os temperamentos dos arts. 5º e 7º.

Conforme se colhe de tais dispositivos, “considera-se necessitado, para os fins legais, todo aquele cuja situação econômica não lhe permita pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio ou da família” (art. 2º, parágrafo único).

Assim, deve ser concedida a gratuidade, ficando porém facultado ao demandado contestá-la em Primeiro Grau, na forma dos arts. 4º e 7º da Lei nº l.060/50.

À propósito:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. PEDIDO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA INDEFERIDO.EXEGESE DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 2º DA LEI N. 1.060/50 E ART. 5º, LXXIV, DA CF/88. DISPOSITIVOS

OBJETIVANDO FACILITAR O ACESSO À JUSTIÇA. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA QUE DEVE SER DEFERIDA.

-Com o fito de não obstaculizar o acesso à Justiça, concede-se a assistência pleiteada, contudo, condicionada a apreciação desta questão para o juízo singular, podendo este pronunciar-se no julgamento final.

Agravo de Instrumento provido liminarmente. TJ/BA 4ª Câmara Cível. DPJ 19/01/2010. Relator. Des. José Olegário Monção Caldas.

Consoante tal entendimento, tem decidido o colendo Superior Tribunal de Justiça:

“tem presunção legal de veracidade a declaração firmada pela parte, sob as penalidades da Lei, de que o pagamento das custas e despesas processuais ensejará prejuízo do sustento próprio ou da família (STJ – RESP 200401774631 – (710624 SP) – 4ª T. – Rel. Min. Jorge Scartezzini – DJU 29.08.2005 – p. 00362)”.

PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. ESTADO DE POBREZA. PROVA. DESNECESSIDADE. A concessão dos benefícios da assistência judiciária gratuita não se condiciona à prova do estado de pobreza do requerente, mas tão somente à mera afirmação desse estado, sendo irrelevante o fato de o pedido haver sido formulado na petição inicial ou no curso do processo. (Resp 469.594/RS, 3ª Turma, rel. Min, Nancy Andrighi, DJ 30.06.2003, p. 243)

Assim sendo, por tudo exposto, com fundamento no artigo 557, §1ª-A, do Código de Processo Civil, dou provimento, liminarmente, ao instrumento para conceder a assistência.

Comunique-se.

Intime-se.

Salvador, em 10 de agosto de 2011.

 

Fonte: DJE BA

ver mais artigos

Sobre o autor

Editor
Editor

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Ver mais artigos

Adicionar um Comentário

Expresse aqui sua opinião comentando.