Cúpula do G20: principais pontos e declarações do primeiro dia

Hoje, na ilha indonésia de Bali, começou a cúpula do G20 dos líderes do “grupo dos vinte” países. Acontece sem o ditador russo Putin, mas o tema da invasão russa da Ucrânia é um dos principais.

 

Lembramos que o grupo “Big 20” une 19 países do mundo e a UE como uma comunidade de estados. Em particular, inclui: Argentina, Austrália, Brasil, Grã-Bretanha, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Canadá, China, México, Rússia, Arábia Saudita, EUA, Turquia, França, Coreia do Sul, África do Sul, Japão e UE .

 

A reunião durará dois dias, o local principal da cimeira será o hotel resort Apurva Kempinski Bali, localizado no topo da falésia de Nusa Dua.

 

De acordo com informações do site dos organizadores, na cúpula, os líderes planejam discutir “as questões globais atuais e urgentes, bem como os esforços na economia e na saúde no período pós-Covid para um crescimento global sustentável e inclusivo”.

 

Além dos líderes dos “20”, a cúpula contará com a presença, em especial, do chefe da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus, do presidente da FIFA Gianni Infantino, do secretário-geral da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE ) Mathias Kormann.

 

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyi já fez um discurso aos participantes da cúpula . Em seu discurso, ele afirmou que se a Rússia quer acabar com a guerra, deve provar isso com ações, enquanto a Ucrânia “não deve oferecer compromissos com consciência, soberania, território e independência”.

 

Volodymyr Zelenskyi também propôs a “fórmula de paz ucraniana”, que inclui dez componentes – desde segurança nuclear e radiológica até uma fixação confiável do fim da guerra com garantias internacionais para a Ucrânia e a retirada das tropas russas de seu território.

 

“E se a Rússia resistir à nossa fórmula de paz, você verá que ela só quer a guerra”, acrescentou o presidente.

 

Representantes dos países membros dos 20, incluindo França, Itália, Alemanha, Grã-Bretanha e outros, também fizeram seus discursos. Eles pediram à Rússia que pare a guerra contra a Ucrânia, respeitando a integridade territorial da Ucrânia.

 

Assim, o presidente francês Emmanuel Macron , após reunião com o presidente da República Popular da China, Xi Jinping , pediu a todos que respeitem a integridade territorial da Ucrânia.

“Juntamente com o presidente Xi Jinping, pedimos respeito pela integridade territorial e soberania da Ucrânia. As consequências deste conflito vão além das fronteiras europeias: vamos superá-las graças a uma estreita coordenação entre a França e a China”, disse o presidente francês.

 

O primeiro-ministro britânico Rishi Sunak pediu à Federação Russa que pare esta “guerra bárbara” contra a Ucrânia. Ele observou que a Rússia deve se retirar da Ucrânia e pôr fim a essa “guerra bárbara”, relata a Sky News.

 

A primeira-ministra da Itália Giorgia Meloni , que afirmou na cúpula do G20 que a invasão russa da Ucrânia teve um enorme impacto na ordem internacional e que o grupo das maiores economias do mundo deve combatê-la.

“Quando a Indonésia assumiu a presidência do G20 no ano passado, era impossível prever que a Rússia invadiria a Ucrânia e o impacto devastador que isso teria na ordem mundial e em nossas economias. Para ter sucesso em sua missão, o G20 deve ter a coragem de enfrentar os desafios mais difíceis da agenda, a começar pelas consequências do conflito na Ucrânia nos setores econômico, energético e alimentar, que afetam a todos e, sem dúvida, afetam os países em desenvolvimento “ disse Meloni, citado pela agência ANSA .

 

O chanceler alemão Olaf Scholz também expressou sua opinião na cúpula do G20, informa a Reuters .

“Antes de tudo, gostaria de deixar claro novamente que a maneira mais eficaz de restaurar a economia mundial é acabar com a guerra da Rússia contra a Ucrânia”, disse Scholz na reunião do G20 sobre segurança alimentar e energética em Bali.

 

O presidente dos EUA, Joe Biden, se encontrou com o presidente turco Recep Erdogan à margem da cúpula do G20 e agradeceu por restaurar o acordo de grãos, do qual a Federação Russa já havia tentado se retirar.

 

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen , fez um discurso direto e contundente na reunião do G20 sobre segurança alimentar e energética na cúpula de Bali.

 

Ela admitiu que “a guerra da Rússia abriu os olhos da União Europeia” no campo da energia. “Nós literalmente vemos que a Rússia prefere queimar gás em vez de vendê-lo”, disse von der Leyen. “Devemos pôr fim a esta guerra”, exortou von der Leyen aos “vinte”. — Como muitos nesta mesa, a UE condena esta guerra. E o G20 deve agora trabalhar em conjunto para lidar com as graves consequências globais da guerra.”

 

O primeiro-ministro da Índia pediu à Federação Russa que “retorne ao caminho do cessar-fogo”  , que anteriormente durante as votações da ONU geralmente se abstinha de condenar a invasão russa, preferindo permanecer externamente “neutra”, mas permaneceu nos bastidores da diplomacia mundial , como observa o The Guardian , “em contato constante com Putin”. Assim, o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi , falando na cúpula, pediu paz e negociações diplomáticas para acabar com a guerra desencadeada pela Rússia contra a Ucrânia.

 

“Eu disse repetidamente que devemos encontrar uma maneira de retornar ao caminho da diplomacia e do cessar-fogo na Ucrânia”, disse Narendra Modi, acrescentando que a tarefa atual do G20 é “demonstrar uma determinação concreta e coletiva para garantir a paz, a harmonia e a segurança”. em todo o mundo”.

 

O líder chinês Xi Jinping, que retornou ao cenário mundial bem a tempo da cúpula do G20 após três anos de isolamento quase sem saída na China durante a pandemia, durante seu discurso na cúpula do G20 na Indonésia, declarou a inadmissibilidade dos países. uso de alimentos e energia para resolver seus objetivos políticos, o que, segundo especialistas, é uma crítica indireta à Rússia. Isto é relatado pelo The Jakarta Post .

 

No entanto, como  disse o chefe do Ministério das Relações Exteriores da RPC, Wang Yi, o oficial de Pequim ainda se opõe à exclusão da Rússia do Grupo dos Vinte e de outras plataformas internacionais. Ele enfatizou que “apóia o papel digno da Rússia dentro da estrutura do Grupo dos Vinte e outras plataformas internacionais”. “Acreditamos que ninguém tem o direito de tirar o direito racional da Rússia de participar de formatos multilaterais”, disse Wang Yi em uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, à margem da cúpula do G20 em Bali. Recorde-se que Lavrov representa a Rússia na Indonésia em vez de Putin, mas também se viu isolado. A maioria dos participantes da cúpula se recusou a tirar uma foto conjunta com Lavrov.

 

Atualmente, sabe-se que durante a reunião, os membros dos “20” já prepararam um rascunho de uma declaração conjunta apelando à paz global , noticia o Financial Times, que conseguiu ler o texto do documento.

 

Note-se que enfatiza: “O uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inaceitável. A resolução pacífica de conflitos, os esforços de gestão de crises e a diplomacia e o diálogo são de vital importância. A era atual não deve ser uma era de guerras.”

 

O texto da declaração, em particular, também afirma que a situação em torno da Ucrânia “exacerba a vulnerabilidade existente da economia mundial”, bem como “restringe o crescimento econômico, aumenta a inflação, interrompe as cadeias de suprimentos, aumenta a insegurança energética e alimentar e aumenta a riscos para a estabilidade financeira.”

 

O documento destaca que “houve diferentes visões e diferentes avaliações da situação”, chama a atenção o jornal.

 

A minuta da declaração foi aprovada pelos membros das delegações e espera-se que seja assinada pelos líderes dos países participantes, diz a mensagem.

 

A seguir, acompanhamos o andamento da cúpula do G20. Leia mais notícias em nosso site.

Com informações da Agência ArmyInform

Direito Legal

Editor, Gerenciador de Conteúdo.

Deixe um comentário