Última Instância

União perde ação de usucapião na disputa de terreno em Natal

União perde ação de usucapião na disputa de terreno em Natal (RN)

Foram 57 anos de ocupação até a União reclamar a propriedade

Em decisão inédita, envolvendo disputa por terreno supostamente da União, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) julgou procedente, por unanimidade, ação rescisória de Cleantho Homem de Siqueira, 86, militar da reserva. O terreno, localizado em Natal, possui 2.715m². O major Cleantho Homem foi Pracinha da Força Expedicionária Brasileira (FEB), enviada à Itália, na 2ª Guerra Mundial.

O terreno em questão, localizado na Rua Nilo Peçanha, 334, no bairro de Petrópolis, foi comprado pelo avô de Cleantho Homem a Manoel Bezerra Dantas, pela quantia de quatro contos de réis.

Em 1973, Cleantho Homem e sua esposa, Maria de Lourdes Marques de Siqueira, 75, verificando a falta de um contrato de compra e venda do imóvel, para fins de regularização, ajuizaram ação de usucapião contra a Companhia de Águas e Esgotos do Estado do Rio Grande do Norte (CAERN). A União, embora citada pessoalmente para falar sobre a ação, não se manifestou. O setor administrativo responsável pelo patrimônio da União forneceu, no dia 4 de outubro de 1973, certidão em que atestava que o terreno não pertencia à União.

A sentença, portanto, foi favorável ao autor da ação, garantindo-lhe a posse regular do imóvel, o que possibilitou o registro em Cartório de Imóveis da cidade. Após a regularização do domínio do imóvel, Cleantho Homem, já reservista, junto com sua esposa, deram início à construção da casa de morada, para abrigos dos 8 filhos, com os recursos economizados durante o período em que serviu às Forças Armadas.

Vinte anos após o trânsito em julgado (tempo que a União tinha para recorrer) da decisão que reconheceu o domínio do imóvel (1996), a União propôs Ação Reivindicatória, com a finalidade de retomar o terreno ocupado pela família.

A decisão do juízo de primeiro grau foi no sentido de negar direito à União. Inconformada, a União recorreu, sob a alegação de que os seus imóveis são inusucapíveis (não podem ser reclamados pelo particular como de sua propriedade). No Tribunal, a União conseguiu desconstituir o domínio (sem retirar a posse) do autor da ação de usucapião. Cleantho não desistiu e ajuizou ação rescisória. O Pleno do Tribunal reconheceu a particularidade da situação, em que a União não exerceu regularmente seu direito quando lhe foram oferecidas as oportunidades, e reconheceu o direito do casal.

Um dos filhos de Cleantho, Pedro Siqueira, 55, é um dos advogados da causa e esteve presente à sessão de julgamento junto com a esposa, Fátima Siqueira. Segundo Pedro Siqueira, “a expectativa da família era de que a Corte viesse a fazer justiça, como de fato fez. Essa justiça decorre do fato de meu pai não ter cometido nenhuma irregularidade. A desorganização e o desinteresse da União levaram o Tribunal a reconhecer o direito”.

AR 5894 (RN)

Por: Por Wolney Mororó – Divisão de Comunicação Social do TRF5

Fonte: TFR5

Comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

destaque

To Top