Justiça reconhece o trabalho de eletricista especial e determina concessão de aposentadoria

Publicado por: redação
30/01/2023 10:16 AM
Exibições: 121
Emmanuel Ikwuegbu/Unplash
Emmanuel Ikwuegbu/Unplash

Segurado exerceu funções com exposição a tensões elétricas acima do limite legal 

 

A Décima Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) reconheceu como especial período trabalhado em atividades de eletricista e determinou que Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) conceda ao trabalhador aposentadoria especial.  

 

Segundo os magistrados, ficou demonstrado que o segurado exerceu as funções exposto a voltagens acima do limite legal, de forma habitual, permanente e sem a proteção necessária.  

 

“As atividades nas quais haja submissão habitual ou intermitente a tensões elétricas acima de 250 volts são caracterizadas como trabalho em condições especiais nos termos do item 1.1.8 do Decreto 53.831/1964”, fundamentou a desembargadora federal Leila Paiva, relatora do processo. 

 

O segurado acionou o Judiciário, pedindo a conversão de período comum em especial entre os anos de 1994 a 2020, em que exerceu as atividades como  eletricista e técnico de sistemas elétricos de campo. 

 

Após a Justiça Federal em São Paulo/SP ter negado o pedido, o autor recorreu ao TRF3.  

 

Ao analisar o caso, a magistrada ponderou que o laudo técnico pericial apontou que não foram encontrados na empresa certificados de aprovação do Equipamento de Proteção Individual (EPI).  

 

“Como assentado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no Tema 555, na hipótese de dúvida ou divergência é de rigor o reconhecimento da especialidade do trabalho.” 

 

Assim, a Décima Turma reconheceu o período especial e determinou que o INSS conceda  aposentadoria especial a partir da data do requerimento administrativo. 

 

Apelação Cível 5005655-83.2021.4.03.6183 

Assessoria de Comunicação Social do TRF3 

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags: