Sequestrar crianças ucranianas revelam a intenção genocida do foragido Putin

Publicado por: redação
23/03/2023 06:35 PM
Exibições: 124
Divulgação/Redes Sociais
Divulgação/Redes Sociais

Sequestrar crianças: Intenção genocida por trás da invasão de Putin à Ucrânia

 

Por Peter Dickinson

Com informações do Alerta da Ucrânia:   

A recente decisão do Tribunal Penal Internacional de acusar Vladimir Putin de crimes de guerra lançou uma luz muito necessária sobre um dos capítulos mais sombrios da invasão em curso da Rússia. Durante o ano passado, as forças russas sequestraram milhares de crianças de regiões ocupadas da Ucrânia e tentaram privá-las de sua identidade ucraniana. Esta campanha de deportações forçadas e doutrinação anti-ucraniana revela a intenção genocida no cerne da invasão russa à Ucrânia.

 

O Artigo II da Convenção de Genocídio das Nações Unidas de 1948 identifica cinco atos que se qualificam como genocídio. O quinto ato, a transferência forçada de crianças de um grupo nacional, étnico, racial ou religioso para outro grupo, descreve de forma concisa e precisa as ações da Rússia na Ucrânia. Funcionários do Kremlin tentaram disfarçar os sequestros como uma medida de segurança de rotina em tempos de guerra, mas os esforços bem documentados de Moscou para “reeducar” jovens ucranianos e transformá-los em russos contam uma história muito diferente.

 

Desde que a invasão começou em fevereiro de 2022, surgiram evidências de uma operação russa em grande escala para sequestrar e doutrinar crianças ucranianas em todos os territórios que caíram sob seu controle. Um relatório recente publicado pela Escola de Saúde Pública de Yale em fevereiro de 2023 identificou um programa russo sistemático para reeducar milhares de crianças ucranianas sequestradas por meio de uma rede de mais de 40 campos e instalações que se estendem da Crimeia ocupada pela Rússia à Sibéria. “Este não é um campo desonesto, não é um prefeito ou governador desonesto”, comentou Nathaniel Raymond, diretor executivo do Yale Humanitarian Research Lab. “Este é um grande empreendimento logístico que não acontece por acaso.”

 

Ucranianos em regiões libertadas relataram como frequentemente tiveram que esconder crianças das forças de ocupação russas. Numerosos orfanatos ucranianos foram forçados a contrabandear crianças para fora das áreas ocupadas para evitar que fossem apreendidas e enviadas para a Rússia. Algumas das vítimas desses sequestros russos eram órfãos ou crianças sob cuidados. Outros foram fisicamente separados de suas famílias e informados de que não são mais desejados. Em alguns casos, pais ucranianos afirmam ter sido enganados ou coagidos a enviar seus filhos para a Rússia. O número total de crianças raptadas ainda não é conhecido. As estimativas atuais indicam que mais de dez mil jovens ucranianos foram sequestrados e enviados para a Rússia. Muitos temem que o número total real possa ser muito maior.

 

A Comissária Russa para os Direitos da Criança, Maria Lvova-Belova, que foi indiciada junto com Putin pelo TPI pela “deportação e transferência ilegal” de crianças ucranianas, falou abertamente sobre a aparente eficácia dos esforços de doutrinação da Rússia. No final de 2022, ela reconheceu que um grupo de 30 crianças trazidas de Mariupol ocupada pela Rússia inicialmente cantou o hino nacional ucraniano e gritou o slogan patriótico “Glória à Ucrânia”, mas afirmou que essa crítica foi “transformada em amor pela Rússia”.

 

O sequestro e doutrinação de crianças ucranianas é apenas um elemento dos esforços abrangentes da Rússia para erradicar todos os vestígios da identidade nacional ucraniana. Em todas as regiões da Ucrânia ocupadas pela Rússia, quaisquer símbolos de identidade e estado ucraniano são suprimidos, enquanto o acesso à mídia ucraniana é bloqueado. A língua ucraniana está sendo removida do sistema escolar, com educadores importados da Rússia para ensinar um currículo aprovado pelo Kremlin que promove uma identidade imperial russa enquanto demoniza a Ucrânia. Os pais que questionam essas políticas são informados de que seus filhos serão levados embora se eles se recusarem a obedecer.

 

A Rússia também está impondo medidas mais diretas para proibir qualquer expressão da identidade ucraniana. Em todo o país, as regiões ocupadas pela Rússia testemunharam o mesmo padrão de prisões visando qualquer pessoa considerada uma ameaça às autoridades do Kremlin. Isso normalmente inclui autoridades locais, jornalistas, ex-membros das forças armadas ucranianas, ativistas da sociedade civil e qualquer pessoa que expresse pontos de vista pró-ucranianos. Em vários casos, tatuagens patrióticas ou conteúdo pró-ucraniano em telefones celulares levaram a detenções e desaparecimentos. Investigadores que trabalham em regiões recém-libertadas descobriram evidências indicando milhares de mortes de civis, juntamente com o uso generalizado de violência sexual e tortura.

 

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags:

Mais vídeos relacionados