ARTIGO: O grande mal chinês ( O outro lado da china)

Publicado por: redação
08/04/2023 08:44 PM
Exibições: 112
Arte: ANDRII KALISTRATENKO Pravda
Arte: ANDRII KALISTRATENKO Pravda

Por Mykhailo Dubynyanskyi

A Rússia é o mal absoluto. Depois de 24 de fevereiro de 2022, isso se tornou um axioma para milhões de ucranianos. Mas a grande guerra tornou possível ver o mal indiscutível além das fronteiras da Federação Russa. Mal que durante décadas preferimos ignorar ou minimizar.

 

Para que a Ucrânia finalmente reconhecesse o regime de Lukashenka como mau, ele teve que se tornar um participante da agressão contra nosso país. E no passado, por muitos anos, o ditador bielorrusso permaneceu o líder estrangeiro mais popular entre os ucranianos . Além disso, não apenas os "furos" simpatizavam com o canalha de Minsk, mas também uma parte dos patriotas ucranianos: acreditava-se que o forte presidente Lukashenko administrava com eficácia a Bielo-Rússia e a salvava de ser absorvida pela Rússia.

 

Para que a Ucrânia reconhecesse o regime fundamentalista de Teerã como inquestionavelmente mau, precisávamos conhecer os "Shaheeds" iranianos . Anteriormente, a brutal ditadura dos aiatolás não nos causava muito desgosto. Ninguém ficou constrangido com a cooperação ucraniana de longo prazo com o Irã e a assistência para superar as sanções ocidentais. É uma pena, mas parte do potencial tecnológico ucraniano é investido nas armas iranianas que atacam nossas cidades.

 

No entanto, a Bielorrússia e o Irão são uma fase ultrapassada. Agora temos uma nova intriga: os ucranianos reconhecem a maior ditadura do planeta – a China comunista – como maligna?

 

Em 2022, não havia dúvida de nada parecido. A Ucrânia olhou para o Império Celestial com respeito e honra constantes. A Ucrânia cedeu ao poder econômico e tecnológico da China.

 

A Ucrânia facilmente fechou os olhos à supressão da liberdade e ao desrespeito pelos direitos humanos na RPC. Para milhões de nossos concidadãos, a China moderna era o padrão da sonhada "mão forte".

 

As pessoas comuns ucranianas já ouviram falar dos impressionantes sucessos da economia chinesa, mas raramente pensaram em seu preço.

 

Na verdade, por trás das condecorações comunistas estava escondido aquele capitalismo implacável, que há muito se foi no passado no Ocidente. Com mão de obra barata, exploração impiedosa dos trabalhadores e ausência de qualquer garantia social.

 

"Na China, as pessoas são baleadas por corrupção!" - Comentaristas ucranianos escreveram sobre isso, engasgando de admiração. E nenhum deles se fez uma pergunta simples: por que as execuções de funcionários corruptos na RPC continuam por décadas? Por que os funcionários corruptos não desapareceram como classe no Império Celestial? Acontece que as execuções chinesas não impedem a corrupção e não contribuem para sua erradicação?

 

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o COVID-19, nossos compatriotas admiraram a eficiência da liderança chinesa e os métodos chineses de combater a epidemia. Embora mais tarde descobrisse que as autoridades da República Popular da China deliberadamente distorceram e ocultaram informações sobre a nova doença. Na verdade, é o regime chinês o responsável pela rápida disseminação do coronavírus pelo planeta.

 

Expondo os crimes totalitários do passado e equiparando Stalin a Hitler, a Ucrânia não colocou Mao Zedong, que ainda é reverenciado na China, na mesma linha. Não ficamos chocados com os monumentos ao maior carrasco de todos os tempos, que destruiu mais pessoas do que Hitler e Stalin juntos.

 

Constantemente lembramos ao mundo sobre o Holodomor ucraniano, mas o Holodomor chinês de 1959-1961 permaneceu uma página quase desconhecida da história de nossa sociedade. O ucraniano médio não sabe nada sobre a morte de dezenas de milhões de chineses como resultado da fome artificial; sobre o canibalismo em massa na RPC e sobre os bilhões de dólares gastos na criação de armas nucleares chinesas nos mesmos anos.

 

Depois de 2014, blogueiros e publicitários domésticos comparavam regularmente a Ucrânia com Israel, mas quase nunca com Taiwan. Um país aparentemente democrático lutando contra as reivindicações de um grande vizinho autoritário é como nós. No entanto, essa semelhança não foi vista até 2022.

 

Na consciência de massa ucraniana, Taiwan parecia uma espécie de entidade separatista: embora nunca tenha feito parte da República Popular da China. Poucos de nós sabíamos que até 1971 era a República da China em Taiwan que tinha um assento legítimo no Conselho de Segurança da ONU. E que a transferência deste lugar para o regime comunista foi pressionada por partidários ocidentais da realpolitik - como aqueles que hoje se preocupam em preservar o rosto de Putin.

 

Desde meados da década de 2010, muito se fala no mundo civilizado sobre o genocídio dos uigures na República Popular da China . Cerca de centenas de milhares de pessoas presas sem julgamento em um "campo de reeducação". Sobre abortos forçados e esterilização forçada. Sobre crianças que são separadas em massa de seus pais e enviadas para internatos. Mas tudo isso teve ressonância mínima na sociedade ucraniana: e não apenas porque estávamos ocupados com nossa própria guerra híbrida.



Em nossa imaginação, os crimes da China eram muito distantes e inexplicáveis, e a própria China era muito grande e forte. Era muito mais fácil tolerar seus pecados do que se opor a eles. E no verão de 2021, a Ucrânia retirou sua assinatura sob a declaração da ONU sobre a proteção dos uigures.

 

Nos últimos anos, a expansão chinesa preocupou o Ocidente coletivo, mas não incomodou em nada nossos compatriotas. Os ucranianos não consideravam a RPC uma ameaça para si mesmos, em vez disso, fizeram outra piada sobre a rápida absorção da Sibéria russa e do Extremo Oriente.

 

No nível subconsciente, a China comunista se via como uma espécie de aliada da Ucrânia no confronto com a Rússia - a domadora de Moscou e o futuro cemitério da Federação Russa. Embora, neste caso, estivéssemos claramente pensando em um desejo.

 

Para que a Ucrânia olhasse para o Oriente Médio de uma nova maneira, era necessária uma guerra sangrenta em grande escala. Depois de 24 de fevereiro de 2022, tornou-se impossível fingir que os valores antidemocráticos e antiocidentais da liderança chinesa não afetavam os ucranianos. A República Popular da China atuou cada vez mais claramente em um novo papel - como protetor de nosso inimigo.

 

É óbvio que a China sabia dos planos da invasão russa da Ucrânia e os aprovou. É óbvio que a China esperava uma blitzkrieg em solo ucraniano e esperava usá-la como precedente para a anexação armada de Taiwan. É óbvio que a China, como antes, não está interessada na derrota militar da Federação Russa e está pronta para fornecer algum apoio.

 

A questão é até onde irá a cooperação situacional entre Pequim e Moscou. A China comunista cruzará a linha além da qual a Ucrânia terá que reconhecê-la como um mal absoluto. Ou, aos olhos dos ucranianos, a República Popular da China manterá o status de meio-mal que se pode e deve tolerar - porque é muito grande, distante e desconhecido. Em uma palavra, aproximadamente o mesmo que a Rússia na imaginação de muitos residentes do terceiro mundo.

 

Originalmente Publicado por PRAVDA

Mykhailo Dubynyanskyi

 

Referências sobre esse assunto:

BBC. Apple e Nike são acusadas de usar 'trabalho forçado' de minoria muçulmana na China. BBC, [S. l.], p. 1-1, 24 jul. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-53534525. Acesso em: 10 set. 2022.

BBC. Campos de detenção: por que China foi punida por seu tratamento a muçulmanos. BBC, [S. l.], p. 1-1, 24 mar. 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-56495323. Acesso em: 10 set. 2022.

BBC (China). Entenda a questão dos uigures na China. BBC, [S. l.], 7 jul. 2009. World, p. 1-1. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2009/07/090707_entenda_uigures_tp. Acesso em: 10 set. 2022.

BBC (China). Who are the Uyghurs and why is China being accused of genocide?. BBC, [S. l.], 24 maio 2022. World, p. 1-1. Disponível em: https://www.bbc.com/news/world-asia-china-22278037. Acesso em: 9 set. 2022.

BUSINESS Standard. China braces for US ban on import of products from Xinjiang province. Business Standard, [S. l.], p. 1-1, 23 jun. 2022. Disponível em: https://www.business-standard.com/article/international/china-braces-for-us-ban-on-import-of-products-from-xinjiang-province-122062300184_1.html. Acesso em: 10 set. 2022.

CONVENÇÃO SOBRE A PREVENÇÃO E PUNIÇÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO, 1948, Nova Iorque. Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio [...]. [S. l.: s. n.], 1948. Disponível em: https://www.oas.org/dil/port/1948%20Conven%C3%A7%C3%A3o%20sobre%20a%20Preven%C3%A7%C3%A3o%20e%20Puni%C3%A7%C3%A3o%20do%20Crime%20de%20Genoc%C3%ADdio.pdf. Acesso em: 9 set. 2022.

FINLEY, Jo Smith. UN report on China’s abuse of Uyghurs is stronger than expected but missing a vital word: genocide. The Conversation, [S. l.], 5 set. 2022. Global, p. 1-1. Disponível em: https://theconversation.com/un-report-on-chinas-abuse-of-uyghurs-is-stronger-than-expected-but-missing-a-vital-word-genocide-189917. Acesso em: 10 set. 2022.

G1. ‘Objetivo deles é destruir todo mundo‘: uigures em campos de ‘reeducação‘ na China relatam estupros sistemáticos. G1, [S. l.], 5 fev. 2021. Mundo, p. 1-1. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/02/05/objetivo-deles-e-destruir-todo-mundo-uigures-em-campos-de-reeducacao-na-china-relatam-estupros-sistematicos.ghtml. Acesso em: 10 set. 2022. 

ILAB. Department of Labour. Against Their Will: The Situation in Xinjiang. DOL, [S. l.], p. 1-1, 12 jul. 2022. Disponível em: https://www.dol.gov/agencies/ilab/against-their-will-the-situation-in-xinjiang. Acesso em: 10 set. 2022.

MURPHY, Matt; DRURY, Flora; WONG, Tessa. Uyghurs: China may have committed crimes against humanity in Xinjiang - UN. BBC, [S. l.], 1 set. 2022. World, p. 1-1. Disponível em: https://www.bbc.com/news/world-asia-62744522. Acesso em: 9 set. 2022.

ONU. Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. Relatório, 1, 31/08/2022. OHCHR Assessment of human rights concerns in the Xinjiang Uyghur Autonomous Region, People’s Republic of China, [S. l.], p. 1-48, 31 ago. 2022. Disponível em: https://www.ohchr.org/sites/default/files/documents/countries/2022-08-31/22-08-31-final-assesment.pdf. Acesso em: 10 set. 2022.

ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas. Especialistas condenam violações contínuas em Guantánamo e pedem fechamento da prisão. ONU Notícias, [S.L.], P. 1-1, 12 jan. 2022. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/168023-especialistas-condenam-violacoes-continuas-em-guantanamo-e-pedem-fechamento-da-prisao. Acesso em: 21 set. 2022. 

ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas. Relatório sobre a China cita “graves violações de direitos humanos” em Xinjiang. ONU News, [S. l.], p. 1-1, 1 set. 2022. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2022/09/1799872. Acesso em: 10 set. 2022.

RUSER, Nathan; LEIBOLD, James. Family De-planning: The Coercive Campaign to Drive Down Indigenous Birth-rates in Xinjiang. ASPI International Cyber Policy Centre, [s. l.], p. 1-36, 27 maio 2021. Disponível em: https://s3-ap-southeast-2.amazonaws.com/ad-aspi/2021-05/Family%20deplanning%20v2.pdf?IO4rxtbW_Up5C6usSJ4EpMFHm6khL7uF. Acesso em: 10 set. 2022.

SHARE America. Quem são os uigures?. Share America, [S. l.], p. 1-1, 29 jan. 2019. Disponível em: https://share.america.gov/pt-br/quem-sao-os-uigures/. Acesso em: 10 set. 2022.

UYGHUR Human Rights Project. International Responses to the Uyghur Crisis. UHRP, [S. l.], p. 1-1, 1 ago. 2022. Disponível em: https://uhrp.org/responses/. Acesso em: 10 set. 2022.

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags:

Mais vídeos relacionados