Manchetes

A quem interessa a aprovação do PL 07/2016?

Violência contra mulheres 
Manifestação Pública do MPD – Movimento do Ministério Público Democrático

 

Projeto de Lei da Câmara 07/2016, que altera a Lei Maria da Penha e possibilita ao delegado de polícia o deferimento de medidas protetivas à mulher em situação de violência foi recém-aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal e está prestes a ser submetido à apreciação pelo Plenário.

 

Até então, movimentos de mulheres, associações de classe, membros do Ministério Público, da Defensoria Pública e do Poder Judiciário de todo o Brasil, além de outras instituições e entidades representativas da sociedade civil, proclamaram notas de repúdio a que este projeto seja acolhido, mas, ao que parece, seus argumentos têm sido ignorados.

 

O Movimento do Ministério Público Democrático (leia aqui no site da entidade) já lançou entendimento de que o projeto de lei é inconstitucional e fere o princípio da tripartição dos Poderes ao permitir que a autoridade policial, que não é investida na função jurisdicional, aplique medidas de proteção de urgência e atropele os poderes constitucionais conferidos ao Poder Judiciário.

 

Também, de que, antes de alterar a Lei Maria da Penha, considerada uma das três melhores do mundo pela ONU no que se refere ao combate à violência contra a mulher, é preciso dar efetividade aos seus dispositivos.

 

Embora as Delegacias Especializadas de Atendimento às Mulheres (DEAMs) apareçam como os primeiros serviços públicos específicos para mulheres vítimas de violência e representem um relevante papel na preservação da integridade física e emocional das mulheres inscritas em dinâmicas violentas, tais espaços, assim como as Delegacias não especializadas, tem se constituído em gargalos no fluxo de atendimento às mulheres em situação de violência, além de colecionarem queixas de profissionais de outras áreas.

 

As queixas dizem respeito à violência institucional associada ao julgamento moral da mulher, à limitação de direitos pela recusa do registro da ocorrência e/ou pelas investidas no sentido de dissuadir a mulher a dar prosseguimento ao feito, ou mesmo, dentre outros, na própria recusa de proceder ao encaminhamento das requisições de medidas protetivas ou o condicionamento de sua solicitação à apresentação de testemunhas.

 

Isso sem mencionar nas outras incumbências determinadas à autoridade policial dispostas na Lei Maria da Penha que são completamente ignoradas nos espaços dos distritos policiais. Por exemplo, o fornecimento de transporte a mulheres em situação de violência para abrigo ou local seguro quando houver risco de vida e acompanhamento de tais mulheres às suas casas para buscar seus pertences.

 

Além do mais, não se pode enxergar o enfrentamento da violência doméstica e familiar como uma questão afeta exclusivamente à esfera policial. A mulher em situação de violência deve ser orientada no sentido de que recursos e serviços de assistência social, saúde e outros órgãos estão aptos a contribuir para este enfrentamento, inclusive no que se refere à busca da concessão de medidas protetivas, pelo juiz, independentemente do registro da ocorrência e do inquérito policial.

 

Os dez anos de vigência da Lei Maria da Penha mostram que a violência institucional recorrente nas delegacias de polícia justifica não a ampliação de atribuições da autoridade policial em nítido abuso do poder constitucional afeto ao Judiciário. Mas sim, à premente necessidade de exigir, destas autoridades, o exercício regular do que já lhes foi estabelecido pela lei.

 

As mudanças propostas no PLC 7/2016 não ajudarão a combater a violência ou a proteger a mulher em situação de violência doméstica e familiar. Significarão um retrocesso e mais um fator de estímulo ao silêncio, este sim um dos grandes vilões das políticas públicas voltadas ao enfrentamento desta violência.

 

Este projeto de lei não interessa às mulheres em situação de violência, não interessa ao movimento de mulheres, não interessa ao Ministério Público, não interessa à Defensoria Pública, não interessa à Ordem dos Advogados do Brasil, não interessa à sociedade. A quem interessa senão às autoridades policiais tachadas de práticas de violência institucional nas dependências de seus distritos?

 

Diante disso, o Movimento do Ministério Público Democrático manifesta a importância da preservação das funções dos poderes para que direitos fundamentais não sejam sacrificados, repudiando, assim, a aprovação deste projeto de lei.

 

 

São Paulo, 01 de julho de 2016

MPD – Movimento do Ministério Público Democrático

Comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

destaque

To Top