Médico com CRM cassado indevidamente consegue, na Justiça, nulidade do processo administrativo

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CRM-SP) cassou o exercício da profissão por entender que houve erro médico no primeiro atendimento, decisão mantida pelo CFM. O advogado Fábio Bechara ingressou com ação na Justiça Federal pleiteando a nulidade do ato administrativo por falta de fundamentação e provas, já que fora solicitado a oitiva de enfermeiros e anestesista que participaram da laparotomia. O CFM, porém, negou.

Ler mais