Empresa condenada por não pagar serviços funerários de funcionário

A empresa alegou que o contrato que instrui o processo foi subscrito por uma funcionária sem poderes para firmar compromissos em seu nome. Porém, de acordo com o magistrado de 1º Grau, o documento em discussão, subscrito por quem ostentava características de representante legal da empresa requerida, é valido.

Ler mais