Vote em mim, porque sim!

Publicado por: redação
27/08/2012 10:30 PM
Exibições: 121

 Por Marli Gonçalves

Não adianta nem tentar escapar, por céu, mar ou ar, ondas sonoras, televisivas ou internéticas. Aqueles sonzinhos chatos, as músicas chiclete, as caras de pau, pedra e tijolo, cada figura mais nonsense que outra, acabam de adentrar o gramado e todos os nossos buracos, inclusive de rua, causando indesejável torpor. Mas não desanime. Seus problemas acabaram. Eles vão resolver tudo agora mesmo, até aquela pia entupida, a roupa suja no tanque, seu caso de amor

Nunca fui muito de acreditar em promessas. O que me ajuda a sobreviver a um tantão assim de decepções, essas inevitáveis, que tive e tenho, diariamente, relacionadas à política nacional, partidos e pessoas, ideais e realizações. Dito isso, agora, juntos, podemos ver por outro ângulo o início da propaganda político-eleitoral, que teve a temporada de caça liberada esta semana. E adivinha quem é a presa? Olhe no espelho.

Enfim, admita que pode até ser muito divertido assistir ao desfile inacreditável de propostas absurdas e mentiras que são apresentadas, se mexendo na tevê. Vai, admita! É pelo menos melhor do que só ouvir aquelas vozes pela rádio ou dar topadas e esbarrar nos cavaletes que estão atravancando as ruas, e que eu bem queria mesmo saber de quem foi a ideia de jerico.

Nas eleições há ainda a vantagem de dar trabalho temporário para muita gente, porque esses obstáculos devem ser postos e retirados, e sempre sobra uma coisinha aqui e ali. Todos os dias, por exemplo, passo por uma esquina onde tem um comitê de um cara que nunca antes nesse país eu tinha ouvido falar. Pois olhe só: ele contratou três pessoas, três, só para carregar uma faixa que , a cada vez que o sinal fecha, é aberta na cara do coitado do motorista. Na faixa, uma foto dele, outra do Chalita e outra do Skaf, que nem candidato é! Três narizes. Fica até meio "típico", digamos assim. As caras das fotos! Os perfis, os olhares enevoados de quem vislumbra a situação lá no horizonte, só não sei de onde.

O bagulho tá doido. Na tevê, aqui em São Paulo, o candidato arrumadinho do PT agora é um gigante que se sobrepõe à urbis, mas que também parece estar querendo pisar por cima da gente com aquele pezão petista; o tal que não é nada, mas eles dizem que foi o melhor, também aparece ora com cara de santo, ora de menino cordato levado pela mão do Pai Lula. O outro Menino Malufinho, Russomanno, pálido de dar até dó, já mostra até ultrassom da filha no útero da mulher, e apela para os sentimentos dos coitados que acham que personalidades de tevê são todas legais, enquanto o seu vice conta fábulas sem pé nem cabeça, sobre um passarinho na mão do garotinho com QI de batata. Serra não está gostando de ser o mais velho da disputa e já surgiu de bicicleta, e a música, na boa, tchutchajá, não tem nada a ver nem com ele, nem com a cidade. Soninha aparece super Soninha, viajandona, e fala baixo para parecer delicada e acaba quase inaudível, mas firme e forte tentando parecer uma Marina sem coque. Chalita repete que é bonzinho, escritor e professor e tenta pegar carona com quem passar ali, seja Dilma, Lula, Alckmin, Moisés, sabe-se Deus quem mais, sempre com as mãos devidamente ocupadas para não saírem batendo asas, e o que seria mais natural! Não posso esquecer de falar do Paulinho destruindo a língua e contando como já foi pobre. Melhor - hors concours - só o Lula dando aula de História na frente do Museu do Ipiranga.

E toma promessas! Dos candidatos a vereadores, que não têm noção do que é o cargo, já ouvi de um tudo em poucos dias. Desde que vão resolver o problema dos ônibus dos garçons até a situação dos desvalidos. Aliás, desvalidos, ou "povos em situação de rua" (urgh!), filmados e refilmados, com passagens em sépia e preto e branco, para aumentar a carga e dramaticidade, alguns inclusive com uma pobreza visivelmente produzida, como se fosse preciso apelar para fora da realidade.

Outra coisa que noto é que os vices, coitados, nem existem, fora o do João Paulo Cunha que ganhou um cartaz quase só para ele, porque pode vir a ser o estepe já já, dependendo do mensalão, mensalinho, pedalinho. Em geral, os nomes dos vices - muitas, inclusive, mulheres postas ali só para cumprir "cota de Cotinha", aparecem em fonte pequenina, quase escorregando. E partido? Para que te quero? Estampam números que dependendo dos casos a gente associa rapidamente ao jogo do bicho.

Para completar o quadro, continuarei apelando para o humor que restar ao acompanhar a eleição pelas tais redes sociais que agora todo mundo trata com uma propriedade invejável, como se ali estivesse a redenção de todos os males. Contam seus "curtir" como catam flores no campo, invadem perfis. Há verdadeiros exércitos se confrontando, compartilhando, canalizando tudo o que der. O pior é que poucos sabem (acho que nem os candidatos) que muito daquilo tudo é robô. Robozinhos amestrados em outros países até, para não serem pegos.

Eleição é festa democrática. A gente realmente deveria dar tudo para participar, com alegria e pelo menos algum comprometimento, mas desse jeito fica difícil, porque a gente ainda corre o risco de perder amigos se for explicar como as coisas acontecem.

Eu sinto muito.

São Paulo, queremos soluções, não delírios de santinhos, 2012

Marli Gonçalves é jornalista- Prometer é fácil. Cumprir, com que dinheiro, de quem depende e por que ainda não foi feito se parece tão simples, é que parece mais complicado.

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
http:// www.brickmann.com.br

http://marligo.wordpress.com

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags: